selo

Oferecimento

Blog do Cefas

15/10/2014
Pimentel e a publicidade mineira



O que virá da cartola do governador eleito, Fernando Pimentel, em benefício das agências, veículos, fornecedores e demais elos da cadeia de comunicação das Gerais?

 

Aí, algumas observações sobre o governador eleito. Em 1993, na gestão de Patrus Ananias, foi secretário Municipal da Fazenda, cargo que ocupou até 1996. Em 2001, tomou posse como vice-prefeito de Célio de Castro e, em novembro do mesmo ano, assumiu, interinamente, o cargo de prefeito de Belo Horizonte em substituição ao titular, licenciado por motivo de saúde.

 

Em 8 de abril de 2003, assumiu, definitivamente, o cargo de prefeito, em razão da aposentadoria de Célio de Castro. Foi um dos principais articuladores do Orçamento Participativo, o maior programa permanente de obras públicas do país, que continuou sendo uma das prioridades de sua administração. Encerrou seu mandato de prefeito em Belo Horizonte com índices de aprovação superiores a 90%.

 

Bem, toda essa lenga-lenga para, pelo menos na visão deste escriba, estar na expectativa de um Pimentel identificado com suas raízes. Um cidadão e político ciente, grato reconhecido pelo que as agências mineiras que o atenderam, seja nas gestões Patrus, Célio de Castro e o próprio prefeito Pimentel, contribuiram para a criação, consolidação e posicionamento atual da marca Fernando Pimentel.

 

Será – pergunto eu – que Pimentel, premido por “forças ocultas”, leia-se hostes petistas de outros centros, iria deixar em segundo plano a cadeia da indústria produtiva da comunicação mineira, optando por agências, veículos e fornecedores de outros Estados? Iria, na licitação que seu governo deve abrir já no início de 2015, dar preferência, usar o peso de sua subjetividade, em prol de empresas vindas do eixo Rio/SP?

 

Acredito que não. Começou a fase de transição, e seus assessores devem estar debruçados, além dos balanços e planilhas econômico-financeiros da gestão Anastasia, também nos relatórios, clippings e sinopses do que foi produzido nos últimos anos para o governo federal. E, mais do que isso, quem os produziu. Quem assina anúncios, filmes, spots e outras ações. Para uma avaliação da qualidade dos atuais fornecedores de publicidade e propaganda do Palácio da Liberdade – ou Cidade Administrativa.

 

Para, nesse mergulho, antever se a próxima concorrência poderá contar com o talento de agências que não atendem a conta estadual – ou nunca tiveram a oportunidade de atender. Ou se tudo deve ficar como dantes, no quartel de Abrantes.

 

Quanto a agências de fora, duvido muito. Mais que uma traição para com a propaganda mineira, seria um suicídio do político Fernando Pimentel. Quem conhece Pimentel, que estudou no Colégio Central, militou na juventude contra a ditadura militar (pela organização Var-Palmares), foi preso e ficou na cadeia de 1970 a 1973; quem sabe disso e sabe também de suas realizações como secretário municipal, vice-prefeito e prefeito de BH, são os belo-horizontinos, dentre eles os publicitários e as agências de Minas Gerais.

 

Tomara que eu esteja certo. Para bem do nosso mercado, e do próprio Pimentel, que não pode entregar sua imagem e a construção da marca Governador Fernando Pimentel, a estranhos no ninho...

 

Notícias relacionadas:

Santana X Vasconcelos. Duelo de marqueteiros

Mercado na expectativa

Eleições 2014

Comentar
Deixe Sua Resposta

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Últimos Comentários

João Batista Carvalho Filho
16/06/2015
João Batista Carvalho Filho
Comungo com seu pensamento amigo Cefas, abç.
Adão Rodrigues
03/04/2015
Adão Rodrigues
Você está certo Cefas! Ele não vai abrir mão das agencias mineiros por nenhuma "carinha bonita" das de fora. Em 1993/1994, eu era diretor de arte na MPM/Lintas e conhecia bem a equipe do Patrus que iniciava à administração na PBH naquele tempo. A minha agencia tinha mais de 20 anos de mercado mineiro, ou seja, uma agencia mineiríssima! Meu amigo José Luiz da Silva era o gerente e deve saber com mais detalhes desse assunto. Houve uns resmungado nos bastidores contra o nosso envelope pelo fato da origem paulistana do staff da agencia. O certo é que entramos e ganhamos a conta da BHTRANS. Fomos a primeira agencia á atender a recém criada empresa de transporte público de Belo Horizonte. A "menina dos olhos" da administração. Então…
Publicidade