selo

Oferecimento

Blogs

07/11/2016
O radioamadorismo no Brasil e no mundo
Por: Marcus Martins

Robert LandellNo último sábado, dia 5 de Novembro, comemoramos o Dia do Radioamador Brasileiro.

 

O ideal rádio amadorístico é servir a todos os radioamadores e à comunidade em geral num empenho comum, a fim de contribuir verdadeiramente para conseguir um mundo unido pela ciência e pela técnica.

 

Mas, uma pergunta se faz óbvia neste momento: o que é o radioamadorismo?

 

O radioamadorismo é um dos mais fascinantes, versáteis e interessantes hobbies científicos. É praticado universalmente e, dessa maneira, está sujeito a normas e regulamentos que são discutidos e aprovados em convenções internacionais que, por sua vez, são ratificados pelos países que delas participam, como o Brasil.

 

Oficialmente é difundido como um serviço de amadores, destinado a incentivar e desenvolver os conhecimentos técnicos das pessoas que, devidamente habilitadas e licenciadas pelas autoridades competentes, se interessem pelo estudo da radioeletricidade e sua aplicação no serviço de intercomunicações a título exclusivamente pessoal e sem interesse pecuniário.

 

Por conseguinte, o radioamadorismo é a atividade das pessoas treinadas no setor das intercomunicações amadorísticas, que se aperfeiçoam à medida que operam as suas estações, numa prática destinada ao treinamento individual mais apurado, assim como se lançam à investigação técnica, ao intercâmbio social com troca de mensagens de caráter pessoal que não tenham cunho comercial, político ou racial.

 

Ao ligar o seu equipamento, o radioamador pode trazer para dentro do seu lar a voz de pessoas distantes, residindo em países longínquos, com quem manterá conversações como se fosse uma visita, abordando vários assuntos permitidos pela legislação, fazendo novas amizades ou renovando as já adquiridas.

 

Sendo Reserva Especial das Forças Armadas, os radioamadores poderão ser chamados a prestar serviços de caráter público, em casos de emergência, tais como catástrofes ou calamidade pública, quando estarão colocando em prova seus conhecimentos e habilidades de operação, qualidades que adquirem no dia a dia, e também participando de concursos e contestes nacionais e internacionais.

 

O radioamadorismo é uma atividade incessante. A qualquer hora do dia ou da noite, em todas as partes do mundo, existem sempre vários radioamadores com os seus equipamentos ligados conversando, num intenso formigar de estações, trocando informações, aproximando pessoas distantes e desconhecidas, salvando vidas, minorando sofrimentos de corações angustiados pela falta de notícias de entes queridos, providenciando a remessa de medicamentos.

 

É também notório que os radioamadores são pioneiros na área das telecomunicações, e foram os responsáveis por progressos notáveis na eletrônica. Desenvolveram antenas, receptores, transmissores e toda a tecnologia relacionada ao seu funcionamento. Hoje em dia são técnicos superlativos nas telecomunicações sofisticadas, inclusive nas telecomunicações via computadores.

 

Contudo tais pessoas pertencem a uma estirpe em vias de extinção e torna-se cada vez mais difícil para o mercado encontrá-las. E aqui entra o objetivo deste nosso comentário: a pessoa com experiência no serviço de radioamador é uma pessoa necessária à indústria.

 

Em um sistema de rádio comunicações, ele possui a capacidade prática e teórica em propagação das ondas radioelétricas, projeto e construção de transmissores e receptores, construção e ajustes de antenas, eletrotécnica, projeto e complementos da estação, escolha de frequências e entendimentos para o seu emprego e utilização, coordenação de todos esses setores.

 

Não é por simples coincidência que estas pessoas se encontram em tal quantidade em cargos importantes da indústria de telecomunicações. Elas têm, no mundo das telecomunicações, algo que outras não possuem: os conhecimentos adquiridos em seu contato com o radioamadorismo! Ele possui uma visão panorâmica e bastante nítida de todo o sistema de comunicações.

 

É notório que além de ensejar às pessoas uma vocação profissional, o radioamadorismo lhes proporciona uma oportunidade ímpar de adquirir conhecimento e experiência de sistemas integrais e integrados de rádio... Coisa que no mundo atual não se consegue obter por nenhum outro meio.

 

E esta tecnologia, que no meio rádio amadorístico é encarada com a indiferença das coisas corriqueiras, pode ser de valor inestimável para a comunidade.

 

As características que tornam o radioamador valioso para o mundo inteiro precisam ser percebidas, pois uma das coisas que nos últimos tempos modificou-se nas Telecomunicações é que o radioamadorismo tornou-se um celeiro de uma gente rara, talentosa e especialíssima.

 

Brasil

O radioamadorismo surgiu no Brasil nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais no ano de 1909.

 

Consta que o primeiro radioamador brasileiro se chamava Livio Gomes Moreira (17/06/1876 - 07/06/1946) - um telegrafista que trabalhava no Departamento de Correios e Telégrafos de São Paulo. Nesta época era muito difícil comprar um equipamento, por isso, Livio montou seu próprio transmissor com 2 válvulas. Alguns anos depois surgiu Demócrito Seabra, no Rio de Janeiro.

 

O radioamadorismo continou a crescer no Brasil e, até o ano de 1968, o Dia do Radioamador Brasileiro era festejado no dia 22 de outubro. Em 1968 o Conselho Federal da LABRE se reuniu em Curitiba e, com base em estudos levantados por João Ramos Bacaratt, por unanimidade, foi fixado o dia 05 de Novembro como sendo o Dia do Radioamador Brasileiro.

 

Essa data foi escolhida porque, no ano de 1924, o Diário Oficial da União publicou o Decreto nº 16.657 regulamentando as estações de radioamadores existentes no Brasil que até então eram consideradas clandestinas.

 

 

No Brasil, os radioamadores recebem suporte e orientação da LABRE - Liga de Amadores Brasileiros de Radio Emissão - e são supervisionados pelo Ministério das Comunicações, através da ANATEL – Agencia Nacional de Telecomunicações.

 

 

 

 

Na imagem, o patrono dos radioamadores brasileiros: Robert Landell, padre católico, cientista, inventor brasileiro e pioneiro na ciência da telecomunicação.

 

*Marcus Martins – PY4SM - é radioamador classe A e Diretor de Radioamadorismo da LABRE-MG

 

** O Grupo Minas Marca não se responsabiliza pelos conceitos, ideias e opiniões emitidos nos blogs assinados.

 

Notícias relacionadas:

Pense em crise, mas crie!

Os benefícios de um site revitalizado

Mas afinal de contas, o que é essa tal de Economia Criativa?

 

 

 

Comentar
Deixe Sua Resposta

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Últimos Comentários

Nenhum comentário ainda.
Publicidade